Terapia Hormonal de Substituição

Todas as mulheres enfrentam uma decisão difícil quando sentem os primeiros efeitos da menopausa; “Deverei começar ou não uma terapia hormonal de substituição?”

Tomar uma combinação de hormônios femininos (estrogênio e progesterona), quando a produção própria pela mulher se reduz drasticamente pode aliviar os sintomas desconfortáveis e proporcionar benefícios para a saúde. Mas, esta terapia conhecida como TSH, continua sendo bastante controversa. Pois estudos mostram que o tratamento tem benefícios e também alguns riscos.

Os prós e os contras da Terapia Hormonal de Substituição

Quando a TSH começou a ser receitada nos anos 60, eram utilizados, principalmente, estrogênios. O objetivo do tratamento era a eliminação dos sinais óbvios da deficiência de estrogênios associada à menopausa, secura vaginal, insônia, dores nas articulações, fadiga, incontinência urinária e até as alterações de humor.

Com o tempo, a TSH ganhou um papel ainda mais importante e positivo na saúde das mulheres.

Estudos indicam que os estrogênios reduzem o risco de doenças cardíacas. Sendo esta a principal causa de morte entre as mulheres mais velhas. Ele também adia o aparecimento da osteoporose e a perda de massa óssea. A investigação mostra ainda que, sozinhos ou combinados com a progesterona, os estrogênios também podem reduzir os riscos de câncer do colo do útero e adiar a perda de memória e a incidência da doença de Alzheimer.

Mas, os estrogênios também têm desvantagens… Eles aumentam o risco de câncer do útero, a menos que sejam administrados juntamente com a progesterona. E, mesmo neste caso, surgem repetidamente casos relacionados com o câncer de mama. Infelizmente, a relação entre esses fatos ainda não está bem esclarecida.

terapia hormonal de substituição

Um conjunto de estudos apoia a referida relação do hormônio com o câncer de mama. Um estudo efetuado pela Universidade de Harvard, EUA, em cerca de 60 000 mulheres os resultados obtidos foram contraditórios.

Embora se tenha chegado à conclusão de que a TSH reduz o risco global de morte em 37%, reduzindo a taxa de mortalidade devido a doenças de coração em 53%, o número de mortes por câncer de mama cresceu 43%. Mas, até mesmo estes resultados são ambíguos. O mesmo estudo revelou que as utilizadoras de TSH com um histórico familiar de câncer de mama reduziam as suas hipóteses de morte devido ao mesmo em 35%. É evidente que as respostas definitivas para estas questões ainda vão demorar algum tempo para aparecer.

Tomar ou não a TSH

Se você está pensando em iniciar um tratamento com TSH, alguns especialistas afirmam que pode existir um modo para ultrapassar os efeitos colaterais e continuar obtendo os seus benefícios. A chave pode estar no uso conjunto de hormônios no início da menopausa (para suprimir o desconforto); seguido de uma pausa no tratamento de cerca de seis meses até vários anos.

Você poderá retomar a TSH mais tarde, quando o risco da doença cardíaca, de fraturas nos ossos e de doença de Alzheimer for maior. Deste modo, você obterá os benefícios dos estrogênios sem correr o risco da exposição prolongada. Outra maneira de te ajudar a tomar a sua decisão é com você prestando atenção ao seu perfil de saúde. Se o motivo principal por que quer seguir uma TSH é a saúde dos seus ossos, não se esqueça de fazer primeiro um exame de densidade óssea. Os resultados irão dizer se você tem ou não problemas de osteoporose.

Ao considerar a TSH, você deverá também estar ciente de que ela pode apresentar alguns efeitos colaterais, nomeadamente hemorragias irregulares. Os estrogênios podem também elevar os níveis de triglicéridos e aumentar o risco de doenças da vesícula e enxaquecas e coágulos de sangue nas veias profundas que poderão conduzir a embolia pulmonar. A progesterona incluída na TSH pode causar mau humor e depressão.

Uma forma de ultrapassar alguns dos efeitos colaterais é adaptar o seu tratamento de TSH. Mudando a dose, o tipo ou os dias da administração da progesterona. Isso pode, por exemplo, reduzir as hemorragias vaginais e aliviar os sintomas relacionados com a progesterona. Acrescentar um pouco de testosterona (hormona masculina que as mulheres também produzem) pode aliviar problemas sexuais relacionados com a menopausa, tais como a perda da libido.

Das diversas opções de tratamento, o seu médico poderá indicar-lhe a mais adequada para o seu perfil.

Uma Alternativa para o Estrogênio

Para as mulheres que não podem fazer a TSH ou porque não querem, existem outras opções. Um grupo de medicamentos conhecido por moduladores seletivos dos receptores estrogênicos (MSRE) foi objeto de estudo de vários grupos nos últimos tempo, especialmente o fármaco raloxifeno.

Até onde sabemos eles oferecem muitos dos benefícios do estrogênio, mas, com menos riscos. Por um lado, proporcionam os efeitos positivos do estrogênio em determinadas partes do corpo. Por exemplo, na formação dos ossos e na redução dos níveis de colesterol nas artérias. Por outro, agem como antiestrogênios em outras áreas do corpo, como nos tecidos mamários, por exemplo.

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *